Dando Nota

Rodrigo Alves

Tenho medo do ultraconservadorismo

Publicado no Jornal de Piracicaba em 21 de abril de 2017
Caderno Cultura – Página 2

Na sexta-feira, 14, o JP publicou a carta “Quem tem medo do conservadorismo?”, de Paulo Uzai Junior, escritor, graduado em psicologia e mestre em filosofia (leia abaixo).

O texto surgiu a partir da provocação “Defender o indefensável”, de minha autoria, sobre o assédio do ator José Mayer à figurinista Su Tonani (link aqui)

Num dado momento, menciono que a empregadora de Mayer dita “costumes conservadores”, fato contestado pelo leitor, que vê uma a agenda progressista nos temas centrais nos programas de auditório, reality shows e novelas na casa de José Mayer.

Uzai diz que “conservador” é usado erroneamente, com preconceito ideológico. De fato, no contexto social e moral, o conservadorismo defende a manutenção de costumes e convenções. Reconheço meu erro. O correto é ultraconservador.

Adoraria não ter nada contra o ultraconservadorismo, mas a percepção diária é a de que o pensamento/conceito/mentalidade contribui para o esfacelamento das políticas públicas no país.

Adoraria não ter medo do ultraconservadorismo, mas vejo diariamente os meios de comunicação de massa colocarem em pauta temas morais, econômicos e sociais em detrimento de negros, homossexuais, feministas e defensores dos direitos humanos.

Como profissional da comunicação tenho medo — e muito — do ultraconservadorismo daquela que não pode ser nomeada e de outras que perseguem seu modelo.

Tomo emprestado da saga Harry Potter a expressão “aquele que não deve ser nomeado”, que se aplica a Lord Voldemort, vilão da história. Quem me conhece sabe do fascínio pelas pitadas de ironia, mas não sou do tipo que prolifera chavões maniqueístas. Há certas coisas que, simplesmente, não merecerem ser nomeadas.

O ultraconservadorismo daquela que não pode ser nomeada está ligado à história de seu fundador. Um homem que se dizia patriota para justificar os laços com a Ditadura, que se aproveitou da influência da empresa para favorecer políticos. Cartilha seguida à risca pelo âncora e editor do principal telejornal, que comparou seus telespectadores a Homer Simpson.

Aquela que não pode ser nomeada noticiou o comício pelas Diretas Já! como se fosse o aniversário de São Paulo na Praça da Sé. Apoiou, em 1989, a candidatura de Fernando Collor, manipulando um debate em rede nacional.

Ainda posso ser um jovem inexperiente, mas tenho motivos para desconfiar do ultraconservadorismo daquela que não pode ser nomeada. E ainda que alguns programas de sua grade tenham o aspecto de uma agenda progressista, não descarto a Ditadura do Ibope, a manipulação dos fatos e a clara tentativa de confundir, em vez de esclarecer.

Mais do que simplesmente mesquinha, aquela que não deve ser nomeada expõe visão deformada da sociedade, apoiada por uma plateia encefálica e anestesiada com a beleza plástica do espetáculo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 21 de abril de 2017 por em Opinião.

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions! Aquecendo com a #MinhaOSP A Arte em Bronze, exposição que será aberta nesta sexta-feira, 7, na Pinacoteca Miguel Dutra, às 20h, reúne obras de 34 artistas do Brasil e do exterior. Visitas até 29/7, de segunda a sexta, das 8h às 17h. Entrada gratuita. #Piracicaba250anos
%d blogueiros gostam disto: