Dando Nota

Rodrigo Alves

Sobre Bias, Marcelas e Ticianas

casa-grande-01

Publicado no Jornal de Piracicaba em 14 de outubro de 2016
Caderno Cultura – Página C2

Às vezes, demora a acreditar. Às vezes, bem às vezes, a imprensa escancara a verdade de solavanco. Turva a visão. Você fita os olhos na tela do computador e se concentra. Vem o soco no estômago, seguido de um nó na garganta. Realidade nua e crua, doa a quem doer. O Brasil também é feito de Bias, Ticianas e Marcelas.

A Marcela tem 33 anos. Loira, bonita, casada há 13 anos, mãe de um garoto, frequentadora da Riviera de São Lourenço. Tem o potencial para ser a Grace Kelly brasileira, nas palavras do seu cabeleireiro.

A Bia, loira cinquentona, dirige um Porsche Cayenne. Visitou parques em Sydney, na Austrália. É a favor do fim das desigualdades, a exemplo do seu marido, que um dia espera que as crianças das escolas públicas trajem camisas Ralph Lauren. Compara-se com Evita Perón e diz que os pobres precisam de um abraço.

A Ticiana, de 35 anos, é filha de família tradicional de Salvador. Possui um imóvel em Nova York e uma mansão em Angra dos Reis. Tem à disposição um jato Legacy, avaliado em 25 milhões de dólares. E, claro, um Porsche Cayenne.

Há algum problema em Bia, Marcela e Ticiana? Ou em ser bonita, bem-nascida e bem-sucedida? Em terem se tornado bem-casadas? Obviamente, não. Só que elas estão alheias à realidade do país em que nasceram.

Bia, a artista plástica, será a primeira-dama de São Paulo. Marcela escolhe os melhores vestidos para as viagens internacionais, na condição de embaixadora do programa Criança Feliz e primeira-dama do país. E Ticiana, jornalista, casou-se com o dono da maior companhia de carne bovina do mundo.

Bia não sabe o que é o Minhocão ou o Baixo Augusta, na cidade em que vive. Marcela passa as horas com os cuidados da casa e do filho Michelzinho. Ticiana, que ancorou um grande telejornal, desconhece o preço da gasolina.

Na pausa da minha leitura atônita sobre o mundinho de Bia, vou ao encontro de Rosália Gomes dos Santos, uma senhora que só pode sair da sua terra-natal, Arapiraca, na terceira idade. Ela tem percorrido cerca de 100 cidades brasileiras para divulgar a cultura popular do agreste alagoano, com o grupo Destaladeiras de Fumo de Arapiraca, composto por mais quatro mulheres e do mestre Nelson Rosa.

Rosália e as amigas Josefa, Isabel, Regineide e Rosinalva entoam uma trova rimada e politizada: “trabalhei um ano, pra gastar um dia, pra andar de bonde, dentro da baía, lá no mar…”.

Ao passo que me alegro com o canto das senhoras destaladeiras de fumo, me entristeço quando ainda vejo as histórias de Bia, Ticiana e Marcela. Para além do Dom Pérignon, estariam preocupadas com a PEC 241? Saberiam diferenciar esmola de escola, reforma política de previdenciária, favelas e Etiópia, nepotismo e despotismo?

Pode ser juízo de valor da minha parte, mas acredito que estão pouco se lixando para o SUS, Bolsa Família, Cracolândia ou para as Marias e Josés, tão menos para a existência de pessoas simples e sofridas como dona Rosália, que canta a vida, mas ainda passa horas sentada no chão, destalando e selecionando as folhas do fumo, diante de uma aposentadoria insuficiente para o sustento da família.

Bia, Marcela e Ticiana fazem parte de um Brasil invisível, mas real. Milionárias, desfilam os vestidos de grife nos tapetes vermelhos. A aparição de ambas na mídia hegemônica, fora das colunas sociais, nos coloca a par da triste realidade, em pleno Estado democrático de Direito. País de elites dementes, insanas e estúpidas, que ignoram as mazelas do povo, o Brasil ainda se divide entre Casa-Grande & Senzala.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 14 de outubro de 2016 por em Opinião.

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#piracicaba250anos #PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions! Aquecendo com a #MinhaOSP
%d blogueiros gostam disto: