Dando Nota

Rodrigo Alves

Tipos brasileiros

Publicado no Jornal de Piracicaba em 21 de agosto de 2015
Caderno Cultura – Página 2

Muita gente afirma que o melhor da viagem internacional é o contato com outras culturas. Também acho. Mas a julgar pela minha experiência mais recente, digo que também dá para desfrutar da cultura brasileira a bordo de um avião. A cultura reclamona, que só valoriza o que é de fora. Coitado de quem defender o país: pode sofrer um linchamento a 36 mil pés acima da terra (sem direito a poste para ser amarrado).

É segunda-feira, 10 de agosto. Chego ao Terminal 3 do Aeroporto Internacional de Guarulhos. Todo de vidro, visual agradável, no formato adequado para abrigar os brasileiros com destino ao exterior. É estranho ver, em plena crise, tanta gente reclamando da alta do dólar e, mesmo assim, seguindo para o exterior. É na fila do check-in que encontro a brasileira número 1: senhora de meia idade, coque na cabeça, joias no pescoço e no braço.

“Onde já se viu! Só podia ser baiano!”, ela diz, olhando em minha direção e querendo puxar papo. Dou atenção. Continua, com típico sotaque da Mooca: “vim perguntar onde é a fila para clientes do ‘clube fidelidade’. Não sabe responder. A gente paga mais caro pra ter um atendimento péssimo! Baianooo!”, completa, como se o estado de origem do trabalhador fosse motivo de vergonha ao país e os paulistanos fizessem o favor de mantê-lo no emprego.

A conversa com a tia serve de alerta. Estou na fila errada. Sou da classe econômica, não tenho orçamento para voo executivo e, mesmo que tivesse, pouparia para outra finalidade. Quero tão somente curtir a viagem que nem começou. Tenho tempo. Dou uma volta. Procuro a “smoking area”. Relaxo. Vem a brasileira número 2, cara de carioca e universitária. Abre a boca de linguinha bifurcada.

“Moro faz dois anos em Toronto e não penso em voltar. Toda vez que retorno ao Brasil vejo como somos burros e atrasados”, afirma, contando, em seguida, que veio apenas porque os pais lhe obrigaram. Eu apenas ouço, sem vontade de esticar o assunto. Ela recebe a atenção de outra menina, mas também algumas patadas: “concordo que alguns países oferecem qualidade de vida, mas não acho legal falar mal do Brasil. O problema daqui está na política, é muita roubalheira”.

O brasileiro número 3 surge na área de embarque. Sou selecionado para o procedimento de segurança. Ele também. Caminha reclamado na direção indicada pela atendente: “êêê Brazil, zil, zil…”, diz, com a expressão carregada de ironia. É jovem, 25 anos, no máximo. Tira o Nike Shox. Reclama. O cinto. Reclama. Entra na área do raio-X. Reclama. Termina de fazer tudo. Reclama. Não deixo passar em branco: “procedimento de segurança é padrão. Adotado também em outros países”.

O exemplo número 4, do casal goiano, representa a típica classe média que ascendeu e descobriu as maravilhas do primeiro mundo. A matriarca aproveita o voo de 10 horas para conversar. Segue para Vancouver com o marido, filho e nora. Viajar faz parte da rotina. A família conhece Paris, Milão, Genebra, Nova York. A condição financeira favorável, no entanto, não é motivo para ostentar.

De gestos simples, frases bonitas, a senhora demonstra que batalhou muito para conquistar tudo na vida. Eu comento sobre a insatisfação dos brasileiros. Ela responde que não gosta de menosprezar o seu povo. “Viajar é muito bom, só me entristece quando vejo alguém dizendo que vai mudar pra Miami, por ter desistido do Brasil. Nada substitui o seu pedacinho de chão, a sua família, o seu país”, diz a senhora, que comemora apenas um fato: o de estar longe do seu país na data em que as pessoas vão às ruas para “reclamar de boca cheia”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 21 de agosto de 2015 por em Opinião.

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#piracicaba250anos #PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions! Aquecendo com a #MinhaOSP
%d blogueiros gostam disto: