Dando Nota

Rodrigo Alves

Livros na caçamba

lixo no livro

Publicado no Jornal de Piracicaba em 24 de abril de 2015
Caderno Cultura – Página C2

Uma amiga encaminhou, via WhatsApp, uma sequência de fotos registradas no Dia de Tiradentes. Ao lado de sua casa estava uma caçamba de lixo com clássicos da literatura e materiais didáticos. Ela teve vontade de postar nas redes sociais e esbravejar, ponderou em nome dos anos de boa convivência com os vizinhos. Roubei sua indignação, sem publicar as imagens ou comprometê-la por isso.

Assim que recebi as fotos, quis ver quais livros constavam na lista de inúteis para o cidadão, que eu sequer conheço. Sujos e misturados a entulhos da construção civil estavam Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antonio de Almeida, Mar Morto, de Jorge Amado, A Obscena Senhora D, de Hilda Hilst, e mais dois dicionários e outros volumes não identificados.

Histórias de livros e materiais didáticos descartados são recorrentes na imprensa. O discurso, ensaiado, é uníssono: não eram úteis naquele momento, estavam velhos ou desatualizados. Se escolas, secretarias de educação e diretorias de ensino carecem de consciência, seria diferente numa residência, num dia de faxina?

Não quero julgar a pessoa que mandou os livros embora, é um risco perigoso da minha parte. Questiono apenas o fato de não deixá-los separados, entre materiais recicláveis, aumentando as chances de aproveitamento por alguém. Além disso, bibliotecas públicas, associações e entidades sem fins lucrativos ficariam gratas com a doação.

Se existem os que ignoram os livros, há os o que mudaram suas vidas com eles. Caso do brasiliense Cícero Pereira Batista, que formou-se em medicina em 2014. Durante anos como morador de rua, encontrou vários livros depositados no lixo. Outro episódio é o de Thompson Vitor, de 15 anos, aprovado no curso de multimídia no Rio Grande do Norte. Sua mãe, que sobrevive da reciclagem, trazia para casa os exemplares descartados por “gente rica”.

O próprio Jornal de Piracicaba trouxe, na edição de quarta-feira, 22, a recente campanha Leitura Para Todos, para a a criação de uma biblioteca no Cecap, a partir de doações da comunidade. Também há a ação engajada de Mayra Kristina Camargo, monitora educacional que abriu as portas da residência para abrigar 300 livros, e que sonha com uma biblioteca comunitária no bairro Santa Fé.

Em Brasília, um cobrador montou uma biblioteca dentro de um ônibus e empresta os livros aos passageiros. Em Campinas, um professor aposentado investiu recursos próprios na criação do ponto de ônibus VIP, com revisteiro, livros, jornais e água potável. E, voltando a Piracicaba, o Lar dos Velhinhos recebe a Feira do Livro Usado, além do Senac, com a Feira de Troca de Livros.

Como repórter, lembro até hoje de uma matéria produzida em 2009, no Tanquã, o Pantanal Piracicabano. Um dos pescadores, sem a chance de estudar na infância, acomodou livros infantis e gibis doados em sua casa, frequentada por crianças. Anos depois, tive um encontro inesperado com o pescador. Com olhar cabisbaixo, disse ter desistido do projeto, já que o poder público não ergueria uma biblioteca no bairro. Ele não teve dinheiro para renovar o acervo e os pequenos estudantes esqueceram o espaço.

A vida é compacta e exige desprendimento. O descartável faz parte das nossas rotinas. Descartamos as pessoas, quando delas não podemos mais tirar proveito. Descartamos os eletrônicos, por se tornarem obsoletos. Descartamos amores, quando a relação torna-se enfadonha. Viramos a página e seguimos na escrita de um novo capítulo da nossa vã existência. Descartar livros, por mais inúteis que pareçam, é tirar a oportunidade de boas lições a outras pessoas.

A leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas, por incrível que pareça, a quase totalidade não sente esta sede”, disse Carlos Drummond de Andrade, a quem recorro para encerrar estas linhas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 24 de abril de 2015 por em Opinião e marcado , , .

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#piracicaba250anos #PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions! Aquecendo com a #MinhaOSP
%d blogueiros gostam disto: