Dando Nota

Rodrigo Alves

Toca Manuel!

manoel ed motta

Publicado no Jornal de Piracicaba em 17 de abril de 2015
Caderno Cultura, Página C2

Ser famoso deve ser um porre. Essa coisa de autógrafo no guardanapo, assédio na mesa do jantar, abraço de fã com desodorante vencido e selfie após o show ao lado do sujeito suado. Luana Piovani, Carolina Dieckmann, Avril Lavigne e Justin Bieber que nos digam. Ed Motta também.

A polêmica declaração de Ed na semana passada tem muito a nos ensinar. O cantor humilhou feio os brasileiros (e não apenas fãs) ao usar o Facebook para recomendar que os conterrâneos não falem a língua nativa na turnê que fará na Europa. Veio, depois, com desesperados e esfarrapados pedidos de desculpas.

Até compreendo que o cantor exagerou a mão ao digitar o desabafo, atire a primeira pedra que nunca, diante da instantaneidade das redes sociais. Figuras públicas, no entanto, devem pensar duas vezes antes de apertar o “enter” do teclado. Se está estressado, que tire férias antes da turnê ou aumente as doses de Lexotan e Maracugina.

A intolerância de Ed não pode ser encarada como normal, como é a intolerância à lactose. É uma intolerância social, de uma elite que se diz intelectual, que ainda não se habituou a conviver com a mudança de padrões no país. Comparo seu pensamento — deplorável, patológico e crônico — ao da professora da PUC-RJ, que criticou um advogado no aeroporto por se vestir “igual a um passageiro de rodoviária”.

No “métier artístico”, Ed não será o último a aderir a caravana da antipatia. A “Pimentinha” Elis Regina é a eterna lembrança. Da safra recente figuram histórias de Anitta, Paula Fernandes e Cláudia Leitte humilhando fãs nos aeroportos. Duas estrelas canadenses também deram o ar de ojeriza no Brasil: Justin Bieber, que teria classificado os brasileiros como piores fãs do mundo, e Avril Lavigne, que cobrou caro pelas fotos ao seu lado, sem direito a abraço.

O que difere o episódio de Ed dos demais é que houve uma clara invasão do artista ao universo de seus fãs e ao público de uma forma geral. Não foi uma reação após investidas sem limites e frenéticas de seguidores antes de show ou um abordagem inconveniente enquanto estava com a família no restaurante. Ed errou ao utilizar a rede social para escancarar seus preconceitos.

A rotina de celebridade muitas vezes é incompreensível ao fã. Ter boa voz não é sinônimo de carisma. De repente o artista até disfarça no tapete vermelho, nas entrevistas ou no palco, mas é tímido e retraído. Ele pode acordar de mau humor, estar cansado do assédio. Pode ter alcançado a fama sem maturidade. Mas deve se lembrar que o sorriso e a boa educação são indispensáveis na conquista do público e na manutenção da carreira.

Não merece o respeito público quem se acha superior por causa do sucesso (tão menos pelo domínio de um segundo idioma). No caso de Ed, ainda me pergunto o que o motivou a percorrer o interior recentemente, cidades como Piracicaba e Campinas, terras de sotaque arrastado. Vai logo para os Alpes Suíços, Paris ou compre uma passagem (só de ida) para a Inglaterra. Cante exclusivamente aos que considera civilizado, nata social, pessoas do primeiro mundo!

Já passou da hora de artistas como Ed entender os deslocamentos sociais e perceber a mudança no acesso aos bens culturais. Rico ou suado, de pobre ou de classe média, o dinheiro que alimenta uma carreira independe da condição social.

Dominando inglês ou francês, o cidadão consegue se deslocar a Miami, ir ao Festival Folclórico de Parintins ou juntar o salário de um ano todo para um show internacional do cantor preferido. E, ao falar, pode escolher o idioma que mais lhe satisfazer.

O meu desejo sincero a Ed Motta é de um ótimo show, com plateia americana, japonesa e francesa, mas também brasileira. De preferência aquela que nos honre com o grito de “Toca Manuel!”, em alto e bom português.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 17 de abril de 2015 por em música, Opinião e marcado , , , , .

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions! Aquecendo com a #MinhaOSP A Arte em Bronze, exposição que será aberta nesta sexta-feira, 7, na Pinacoteca Miguel Dutra, às 20h, reúne obras de 34 artistas do Brasil e do exterior. Visitas até 29/7, de segunda a sexta, das 8h às 17h. Entrada gratuita. #Piracicaba250anos
%d blogueiros gostam disto: