Dando Nota

Rodrigo Alves

O mundo gourmetizou

água gourmet

Publicado no Jornal de Piracicaba em 3 de abril de 2015
Página 2 do Caderno Cultura

Na semana passada descrevi três cenas nada agradáveis sobre estabelecimentos alimentícios, dois deles ostentando o selo gourmet em letras garrafais. Gostei do assunto, decidi me alongar no tema, sem fazer pinta de especialista. Sou apenas bom de garfo e um pouquinho chato para certas questões, entre elas a qualidade da comida e do atendimento.

Passei o réveillon deste ano em terras bem populares entre os paulistas, a praia de Ubatuba. Durante um passeio noturno com amigos pela avenida principal, me diverti ao perceber que o destino estava tomado por casas gourmets, mesmo as que pouco se preocupam com o tratamento estético. Elas não notaram, ainda, que os consumidores mais atentos não fazem papel de otário e tão menos pagam mais caro por isso.

Lá em Ubatuba ou em qualquer lugar do país é provável que você encontre a gelateria e a picoleteria (paletas mexicanas é para os fracos), a paneteria, o food truck, já conhecido de muitos, e os mais novos bikes lanches (tiozinhos que vendem sanduíches na rua, com o isopor na garupa das bicicletas) e até a marmitaria (local para a venda das quentinhas).

Todos esses exemplos ficariam inúteis se comparados ao lançamento da água gourmet Ô Amazon Air Water, extraída da umidade do ar da Amazônia. A genialidade só poderia ter vindo de empreendedores brasileiros, que pretendem comercializar o novo produto no mercado europeu ao custo estimado de 6,5 euros. Terão eles consumidores no Velho Mundo?

Suponho que a gourmetização do mundo não vem de hoje. Antes do termo gourmet, premium era a palavra da moda. No comércio de roupas, a expressão mais adotada era “nova tendência”. Aí vieram o raio diet (e seus cognomes light e zero), o raio esverdeado (para produtos naturebas, orgânicos e sustentáveis) e o raio petificado (para incentivar os cuidados com gatos, cães e pássaros de estimação).

Acredito que os restaurantes gourmets não se preocupam com selos ou nomenclaturas. Por outro lado, os falsos querem enxergar apenas como jogada de marketing. Além de marinheiros de primeira viagem, mostram-se charlatões descarados. Da minha parte, evito tais restaurantes. Eles pode até atrair clientes num primeiro momento, mas os espantam depois. A estes utilizo a expressão “por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento” ou o tradicional “para inglês ver”.

Por outro lado — e de novo não quero bancar o especialista — a sobrevida desses locais é pequena. As estatísticas estão aí. Segundo a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), aproximadamente 35% dos novos empreendimentos fecham antes do primeiro ano e, em uma década, só três entre 100 continuam na ativa. Os sobreviventes, certamente, conseguiram equalizar o carisma, a localização, a inovação, a comida e o ambiente agradável.

Minhas preces é que o mundo acorde logo. Do contrário, veremos nascer uma Gourmet Water House. Até imagino a cena: “Garçom, por favor, água? Pois não, senhor, temos as opções torneiral clorificada, filtrada, aromatizada, borbulhante ou fervida!”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 4 de abril de 2015 por em Opinião e marcado , , , .

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#piracicaba250anos #PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions! Aquecendo com a #MinhaOSP
%d blogueiros gostam disto: