Dando Nota

Rodrigo Alves

Cultura: realidade distante

Holy_bible

Publicado no Jornal de Piracicaba em 7 de novembro de 2014
Caderno Cultura – Página 2

Quais as práticas culturais do brasileiro, as que mais gosta e frequenta? A população entende cultura como diversão e informação? É preciso que uma atividade seja gratuita para atrair público? Perguntas como estas estão mapeadas no Panorama Setorial da Cultura Brasileira 2013-2014, uma extensa pesquisa que lança luz sobre as motivações do consumo das artes em nosso país.

Disponível para download gratuito desde setembro, o material merece uma leitura minuciosa e surpreende com o preciosismo das pesquisadoras Giselle Jordão e Renata Allucci, que tiveram o apoio do Ministério da Cultura e da Vale para aplicar uma série de questionamentos em 74 cidades das cinco regiões do país. Foram consultadas 1.620 pessoas de todas as classes econômicas, entre 16 e 75 anos.

Entre os diagnósticos, serve de alerta a constatação que 42% dos entrevistados são considerados não consumidores de cultura. O perfil demográfico desse grupo é de pessoas com mais de 55 anos, casadas, com filhos com mais de 18 anos, além de uma grande concentração de aposentados. Eles contentam-se em assistir TV ou sintonizar o rádio. A religião lhes supre a necessidade e o desejo de inclusão na sociedade.

É espantoso que apenas 10% são praticantes culturais ou, em outras palavras, as pessoas que além da diversão e do bom preço optam por ler livros, revistas ou jornais, ir ao circo, musical, cinema, festas, parques, teatro, museu e viajar. O predomínio desse segmento se dá entre as pessoas das regiões Nordeste e Sudeste, da Classe A2, e acesso à internet, TV a cabo, smartphone, tablet e computador de uso próprio.

Para fechar a conta, o estudo constatou que 33% dos brasileiros (a maior parte jovens de 16 a 24 anos, da classe B) são consumidores de cinema e 15% podem ser chamados de frequentadores de festas, incluindo shows, carnaval, trio elétrico, blocos de rua, escolas de samba e festejos regionais. Esse último grupo, com maior incidência de homens, tem renda familiar entre um e dois salários mínimos e opta por atividades gratuitas.

Ao ser questionado sobre as práticas culturais fora de casa no último ano, menos da metade do público respondeu ter realizado alguma atividade, sendo que apenas 5% frequentaram bibliotecas, 6% visitaram cidades ou igrejas históricas, 4% a exposições, 9% ao teatro e 1% à ópera. A pesquisa mostra que a campeã das atividades culturais é frequentar alguma religião, com resposta de 42% dos entrevistados.

Mais que um diagnóstico sobre os hábitos, a pesquisa é uma caixa-preta aos gestores públicos, agentes, produtores e artistas. Ela escancara que as barreiras para o consumo vão muito além dos preços altos, das questões sociais, da distância ou das facilidades de acesso. É uma triste realidade para um país que traz em sua Constituição o direito de acesso aos bens culturais. Num momento de veloz transformação do mundo, os resultados expressos no Panorama Setorial da Cultura Brasileira reafirmam a necessidade urgente de políticas públicas inovadoras, que tratem a cultura como essencial para o desenvolvimento dos cidadãos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 7 de novembro de 2014 por em Opinião.

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#piracicaba250anos #PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions! Aquecendo com a #MinhaOSP
%d blogueiros gostam disto: