Dando Nota

Rodrigo Alves

Sem assunto…

sem-assunto

Publicado no Jornal de Piracicaba em 27 de junho de 2014
Caderno Cultura – Página 2

Na sexta-feira o leitor abre a página 2 do caderno Cultura e encontra um texto de minha autoria. Aqui ele acompanha minhas reflexões — ou divagações — sobre um assunto qualquer. Mas hoje eu não tenho muito o que escrever, porque a inspiração não veio.

Antes de me debruçar sobre o editor de textos, vasculho a gaveta virtual. Dos temas elencados, nenhum me agrada. Parecem sem potencial para críticas ou análises. Nada é inspirador ou deve interessar ao público deste jornal. Ou pelo menos soa como inapropriado para a ocasião, tomada por discussões sobre a Copa das Copas.

Como a semana está começando, o pensamento é positivo: soluciono o problema no dia seguinte. A terça-feira chega. Sou abatido por um resfriado. De repouso, fico sem forças para me dedicar ao artigo. Na quarta-feira, contada como certa para a escrita, uma visita inesperada tira o tempo livre. Data do tradicional deadline, vem a quinta-feira. Deparo-me com o papel em branco. As ideias idem.

Desesperado, navego pela internet. A rede mundial há de oferecer algo interessante. Esforços vencidos, tento encontrar um culpado. Eu, claro. “Domingo você estava inspirado, se tirasse uma horinha para escrever…”, penso. “Desperdiçou o feriado inteiro de Corpus Christi no ostracismo, Rodrigo”, concluo.

Ensaio um e-mail ao Rubens Vitti, editor do caderno. Poderia pular esta sexta-feira? A pergunta é descartada na primeira linha. Já atuei em redação, sei o trabalho que dá um furo. Teria uma sugestão de última hora? Haveria um articulista provisório? Nenhuma opção é apropriada. Sigo sem alternativas.

Abandonar o espaço por uma semana seria tremendo descaso. O que pensarão os que seguem os artigos com frequência? Estaria o Rodrigo doente? Deixou o barco à deriva? Foi cortado pelo jornal? Entrou em férias? As versões podem ser mirabolantes, menos a mais provável: falta assunto ao detentor da coluna.

A tarefa parece simples, mas escrever não é dos fardos mais leves. Preencher o espaço de uma coluna requer, acima de tudo, responsabilidade. De uma semana para outra você pode estar menos ou mais inspirado, isso é aceitável. Mas estar sem assunto é o pior dos dramas.

Um articulista sem assunto é o mesmo que o jornalista sem pauta, o artilheiro sem gols, o poeta sem versos, o político sem votos, a faxineira sem os produtos de limpeza, a Ana Maria Braga sem o Louro José, o Erasmo sem as charges. É como a canção Fico Assim sem Você, de Claudinho e Bucheca: avião sem asa, o circo sem palhaço e o namoro sem abraço.

Outro dia, numa conversa de bar, falava com uma amiga sobre a pressão de ser jornalista. Mal a notícia pipoca e querem sua opinião. Deve saber tudo sobre futebol, cultura e questões internacionais. Ao articulista a exigência é parecida. Cobra-se que acompanhe todas as colunas de opinião e que tenha palpite até para a morte da bezerra.

Só que o jornalista pode encontrar a pauta a caminho do trabalho, o articulista não. Se revirar o armário da cozinha, não encontrará medicamentos para “amnésia inspiratória”. Será que meditar resolve? Quem sabe contemplar a natureza? Alguém, por favor, tem a receita?

Desde setembro de 2012, quando aceitei o convite para publicar os artigos, o desafio é grande. Agradar 100% nunca foi a intenção. A lenda reza que a unanimidade é burra. Em 2013, quando o jornal anunciou a periodicidade semanal, bateu aquele frio na barriga e a pergunta: será que vou dar conta? Este dia chegou. Entrego um texto sem assunto.

Até a próxima semana. E, espero, com uma carta na manga.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 27 de junho de 2014 por em Opinião e marcado , , , .

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#piracicaba250anos #piracicaba250anos #PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions!
%d blogueiros gostam disto: