Dando Nota

Rodrigo Alves

O que aprendemos com a boate Kiss?

Boate_Kiss_2013.02.04._10


Artigo publicado no Jornal de Piracicaba em 31 de janeiro de 2014
Caderno Cultura – Página 2

A cena se repete em várias cidades do país: a balada, para ser boa, começa pela fila. A espera alimenta a expectativa de uma noite com rostos bonitos, corpos sarados, gente descolada e disposta a dançar madrugada afora. Potencializada pelas doses etílicas, a diversão é garantida por bandas ou qualquer deejay que emita decibéis alucinógenos. Não há motivos para preocupação, afinal o ditado já diz que a noite é uma criança.

É como se o pensamento estivesse enraizado na cultura jovem tupiniquim. Passado um ano do triste episódio em Santa Maria, que tirou a vida de 242 pessoas na boate Kiss, as casas noturnas com maior poder de aglomeração ainda são as preferidas. Sacamos nossos cartões de crédito, garantimos o estacionamento com seguro, a cerveja trincando, os melhores drinks e dane-se o resto.

Acabada a festa, uns repousam até o entardecer e, outros tantos, emendam o expediente, mesmo com a ressaca lhes denunciando. Nas redes sociais, as melhores fotos com a turma ganham likes e, assim, revivemos a noitada. A programação para a próxima fila continua, no próximo fim de semana, na véspera de feriado ou numa quarta-feira qualquer.

Um ano depois do desastre em Santa Maria, lembrado neste 27 de janeiro de 2014, o luto dos familiares transformou-se em dor permanente. Já não ecoa com a mesma força o “Acorda Santa Maria”, promovido em plena madrugada para relembrar o episódio e seguido por caminhadas pela cidade gaúcha de 262 mil habitantes. No noticiário, o choro foi abafado. O assunto, que antes ocupava as manchetes na imprensa internacional, agora foi relegado às notas de rodapé.

Passados mais de 360 dias, nenhum dos 28 responsabilizados foram a julgamento. Enquanto isso, qual foi a brava atitude dos gigantes acordados? Atire a primeira pedra o cidadão que averiguou a regularidade dos alvarás, o auto de vistoria dos Bombeiros, as saídas de emergência, os extintores de incêndio e as equipes treinadas para episódios de risco.

Preferimos a omissão, alimentados pelo dito popular de que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar. Nos contentamos em acompanhar anestesiados a notícia da vigília nos jornais e, na sequência, viramos a página para saber qual o eliminado do Big Brother Brasil. Vamos atrás, de novo, das melhores baladas, sem saber se as casas noturnas garantem nossa segurança.

A tragédia de Santa Maria carrega muitas indagações. A legislação é a mesma, num ritmo condizente com o típico jeitinho brasileiro. Onde está a lei, tão debatida, que padroniza as normas de segurança contra incêndios no país? Devemos lembrar que além das casas noturnas, ela contempla cinemas, restaurantes, salões de festas e templos religiosos com capacidade acima de 250 pessoas.

Às vésperas da Copa do Mundo e da vinda ao Brasil de milhares de turistas, o incêndio na Kiss precisa ser lembrado. Passada a fase da comoção, não podemos deixar que a fiscalização dos órgãos públicos seja abrandada. É aí que entra nossa responsabilidade como cidadão. O caminho também é dizer não para as casas interessadas apenas na triste troca do dinheiro pela diversão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 31 de janeiro de 2014 por em Curiosidades e marcado , .

Tradutor

Receba notificações de posts por e-mail.

Follow Dando Nota on WordPress.com

Instagram

#piracicaba250anos #PiraParade #Piracicaba250anos Festa na roça #piracicaba250anos Jornalista sendo jornalista até no bar! Eu pagando de tímido e sendo flagrado no Leblon Janelas do Tempo, exposição aberta hoje na Acipi, promovida pela Câmara de Vereadores de Piracicaba, para comemorar os 250 anos da cidade. #piracicaba250anos Como é bom ser criança! Lorenzo empolgado com a coleção de minions! Aquecendo com a #MinhaOSP
%d blogueiros gostam disto: